35ª Maratona Internacional de Porto Alegre – 10 de Junho de 2018

Meus Joãos e Minhas Dandas,

             Hoje de manhã, debaixo de uma chuva intermitente e de temperaturas relativamente baixas, realizou-se, na capital de todos os gaúchos, a prova mencionada no título deste post. O dia não estava dos mais bonitos. Dava a impressão de que não havia amanhecido. E, por falar nisso, muito antes do alvorecer, eu e o Professor Daniel Rech já estávamos de barraca armada no estacionamento do BarraShoppingSul. Chegamos cedo porque se tratava da mais importante prova de rua realizada em solo sulino, e, sendo assim, merecia a preparação detalhada da estrutura de apoio aos atletas da Equipe Daniel Rech (EDR). Além disso, com a proximidade do dia dos namorados, foi a oportunidade de ficarmos a sós e discutirmos a relação…

Pouco a pouco, o estacionamento do shopping foi-se enchendo de barracas das assessorias e, da mesma forma, os incautos começaram a chegar.

De repente, recebemos a agradável companhia dos “Amigos da Corrida” de Uruguaiana/ RS, equipe também treinada pelo Professor Daniel Rech. Muito religiosos, eles trouxeram duas freiras da Ordem das Irmãs Velozes da Capa Branca de Passo de Los Libres.

Logo após as irmãs rezarem, rapidamente, cinco terços pelo sucesso dos “Amigos da Corrida”, o Professor Daniel Rech, com sua sensível pedagogia, deu as últimas instruções para os fronteiriços: “Corram e só parem depois da Ponte da Amizade!”

Abaixo, a tradicional foto das equipes. De camiseta laranja, a EDR; de verde, os “Amigos da Corrida”.

Vejam a seguir a imagem do túnel de acesso aos pórticos de largada. Este túnel liga o estacionamento inferior ao superior do Shopping.

No vídeo abaixo, tento mostrar para vocês o que era a empolgação e a alegria dos atletas alguns minutos antes da largada – contagiante!

Tive que tirar uma foto com meu grande amigo, o Professor “Ironman” Carlos Lara. Ele compareceu ao evento só para dar pace para os seus alunos – muito bacana!

E aí em baixo estão as três primeiras corredoras da EDR a completar a prova: Fernanda, Magda e Fabíola – que orgulho desta medalha!

Um pouquinho depois, juntaram-se a elas a Aline e a Lúcia.

E, em pouco tempo, todas as flores estavam reunidas formando o bouquet da Equipe Daniel Rech. Parabéns, gurias!

Antes de encerrar, quero prestar uma homenagem especial ao meu amigo João Danda (de quem utilizei o nome para o vocativo inicial). O homem realizou a sua octogésima (80ª) maratona. Se fizermos as contas, veremos que, só fazendo esta prova, ele correu 3375,28 Km (isso é quase Porto Alegre a Maceió!). Some-se a isso as distâncias realizadas em treinos, e veremos que o feito não é muito fácil de ser conquistado. Sendo assim, deixo aqui os meus sinceros parabéns ao queridíssimo atleta e votos de muitas outras maratonas bem-sucedidas.

Vou ficando por aqui só lembrando a todos vocês que depois de amanhã é o dia dos namorados. Aproveitem, curtam e beijem muuuuuuito! E, lembrem-se, se o (a) seu (sua) namorado (a) te pedir um tempo e mais espaço, é só porque, como você é corredor (a), ele (a) está querendo calcular a sua velocidade (velocidade = espaço ∕ tempo)!

Que o bom Deus e Senhor do Universo continue nos abençoando e protegendo dos dias de frio intenso!

Abraços pra quem for de abraço, e beijos pra quem for de beijo!

Juarez Arigony

Anúncios

Treino da Equipe Daniel Rech (EDR) – Parque Marinha do Brasil – 17 de março de 2018

Meus Kettles e Minhas Bells,

Hoje, tive a honra de substituir o Professor Daniel Rech, que foi a Nova York correr a meia, no treino da equipe no local referenciado no título. Embora o quórum tenha sido baixo, a presença daqueles que compareceram – só o escol – me proporcionou a possibilidade de ajudá-los de forma modesta e, por isso, uma grande alegria.

Eu já disse anteriormente, – aqueles que leem meus posts já sabem –: “antes da hora é a hora; em cima da hora é atraso; e depois da hora é contravenção disciplinar”. Por isso, como o Professor Daniel havia marcado o treino para às oito horas, cheguei com uma certa antecedência (às sete) para poder preparar o ambiente.

O dia estava maravilhoso! Fazia um sol que tornou o último sábado do verão de 2018 digno de grandes recordações e saudades. Eu estava sentado, apreciando o descortinar do dia ao levante do Lago Guaíba quando os atletas da EDR começaram a chegar – as primeiras foram a Tati e a Laura.

Pouco depois, chegou a Ana Rita.

Enquanto aguardávamos a chegada dos colegas, observei a movimentação de dois rapazes que traziam alguns kettlebells e se posicionaram ao lado do busto do Marquês de Tamandaré.

Durante um bom tempo, eu fiquei observando os caras, e considerei que o treinamento era bastante difícil, envolvendo muita força e resistência muscular. O de camisa preta é o Professor Sandi Martin e o de camisa branca é o Professor Guto Rigo.

E a gurizada da equipe foi chegando! Aí em baixo está o último grupo que saiu para correr: o Coronel com o Alessandro; e a Ana Rita, a Silvana e a Chris. Aliás, o treino dessas três foi interessantíssimo: uma hora dividida da seguinte maneira – 59 minutos caminhando e 1 minuto correndo! Mas pense numa corrida de 1 minuto – chegaram babando!

Mas eu estava realmente impressionado com o treinamento dos rapazes! Debaixo de um solaço de uns 30°C eles continuavam levantando as gyrias (kettlebells em russo) e fazendo cada vez mais força! Abaixo, o Professor Guto Rigo realizando o jerk.

Quem me conhece sabe que eu não posso ver homem bonito! Foi numa das pausas que eu não me sofri e fui até lá conversar com eles!

Os dois professores foram extremamente atenciosos comigo, e me deram uma série de explicações que eu compartilho com vocês aí em baixo.

Depois deste papo bacana, o pessoal que tinha saído para correr começou a chegar. Enquanto a Ana Rita, a Chris e a Silvana brindavam com uma água Perrier estupidamente gelada, a Tati e a Laura usufruíam do alongamento ministrado pela Professora Laura.

Pera aí! Deixa eu mostrar melhor o alongamento! Também quero aproveitar para pedir à Prefeitura da cidade de Porto Alegre que providencie o corte da grama do parque. O mato está tão alto que a Professora Laura não teve como utilizar os colchonetes para realizar o seu trabalho. O que solicito não visa apenas o interesse dos atletas que utilizam o parque para treinar, mas, sim, o interesse de todos os que desejam uma cidade limpa e em melhores condições de higiene.

Terminamos o treino com um alegre e carinhoso abraço! E eu termino o post com um versinho que elaborei ao escolher as fotos para colocar neste texto – coisa mais querida!

Meu nome é Juarez, e o treino de hoje não foi meu

Afinal, foi o Professor Daniel que escreveu!

Mas posso dizer que quem foi ficou feliz, curtiu e correu

E quem não foi ficou triste, chorou e se… perdeu!

Que o maravilhoso Deus e Senhor do Universo continue permitindo que ergamos as gyrias da vida com potência cada vez maior!

Abraços para quem for de abraço e beijos para quem for de beijos!

Juarez Arigony

Sunset Challenge Atlântida Xangri-Lá/ 14ª Travessia Torres Tramandaí

Meus Torres e Minhas Tramandaís

             Neste post vou tratar de sol e sal, e tentar jogar mais algum brilho (se é que é possível) em cima do iluminado verão que estamos atravessando. Digo isso, não apenas me referindo aos maravilhosos dias de estio que temos presenciado, mas, também, ao bafo de dignidade e justiça do qual já podemos sentir o calor. A minha vibração é calcada em nenhum fundamento ideológico, pouco critério político e excessivos elementos técnicos, tal qual fizeram os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região no julgamento ocorrido no último dia 24. Essa é a forma como funciona o colegiado das provas de corrida da estação: nos temperam com suas especiarias, e nos enchem de esperança de tempos melhores.

Mas, vamos ao que interessa, e comecemos a falar das corridas. A primeira a que vou me referir aconteceu no dia 13 passado: a “Sunset Challenge Atlântida Xangri-Lá”. A prova, muito bem organizada pela equipe da AUDAX Eventos Esportivos, foi uma grande oportunidade de rever os amigos e dividir com eles a paixão pelas provas disputadas na arelha da pralha.

Ainda encontrei este gremista islâmico que me despertou grande curiosidade. Valendo-me do meu profundo conhecimento do idioma árabe, conversamos e tornamo-nos amigos. Então, apresento a vocês o Sheikh Mohamed Wagner Voltz Ahmed (discosta).

E, antes do tiro de largada, em meio a toda a confusão característica desses eventos,

ainda tive a oportunidade de registrar este momento ao lado dos queridos Daniel Rech (The Coach) e Itatiaia Peralta.

Após os 12 Km, cheguei em frente à famosa guarita 87 de Atlântida, e posei para que os fotógrafos pudessem registrar o momento “botando os bofes pra fora!”

Mas a grande prova do verão dos gaúchos, todos sabem, é a famosa Travessia Torres Tramandaí. Este ano, em sua 14ª edição, a empreitada ocorreu anteontem, dia 27, e movimentou todo o litoral norte do Rio Grande do Sul. Esta movimentação vai desde o transporte dos atletas até o acesso a hotéis e restaurantes, passando pelos ambulantes e comerciantes locais de todos os ramos. É por isso que entendo ser necessário um apoio cada vez maior de todas as esferas – pública e privada – para este evento anual.

Tive a felicidade de começar a minha participação no quarteto (Juarez, Judiego, Juliano e Julinho) na praia de Estrela do Mar. Considero uma felicidade porque não precisei levantar de madrugada, como o Judiego, para largar de Torres. Além disso, quando cheguei na guarita 20, já encontrei amigos que tornam tudo muito mais alegre. Perceberam que, para participar desse quarteto, o nome tem que começar por “Ju”. E, a propósito, a minha camisa é igual a de todos os outros corredores da Equipe Daniel Rech (EDR) presentes na foto a seguir.

Abaixo, eu já havia corrido o meu primeiro trecho (Estrela do Mar a Rondinha), e estava me encaminhando para a já citada famosa guarita 87 (Plataforma de Pesca de Atlântida) para a largada para o segundo trecho (até Arpoador). Vejam que dia lindo! Fantástico! Muito sol, uma brisa agradabilíssima e céu de brigadeiro!

Cansamos de esperar os parceiros que nos passariam os chips e fomos descansar as pernas colocando as bundas sobre a plataforma.

E não éramos só nós que estávamos cansados! Outros atletas posicionavam os glúteos de diferentes maneiras buscando, ou descanso,

ou alongamento (mezerecórdea)!

Mais uma vez, tive o privilégio de largar do mesmo ponto que o chefe. Isso foi muito bom para mim pela oportunidade de receber importantes orientações. Aliás, quero agradecer à chefia pela ajuda no primeiro trecho. Eu estava quase entregando os pontos quando ele me alcançou, e me tirou da hipoglicemia com um de seus sachês de glicose. Dani, brigadúúúúúúúúúú!

E, com a chegada do “homem de preto” (Marinão), lá se foi o chefe!

Enquanto eu aguardava, pude constatar, mais uma vez, a quantidade de sheikhs que torcem pelo Grêmio!

Abaixo, o momento da passagem do chip do Judiego para mim! E vamos embora!

O Judiego me passou o chip e, sob o olhar incrédulo do Juliano, continuou correndo até Imbé para receber a medalha!

E, enquanto ele corria, eu já tinha chegado (de carro) no gazebão e confraternizava com a galera!

Abaixo, junto com outros emerdalhados!

A TTT sempre traz grande alegria a todos que, de alguma forma, a completam!

Parabéns, gurias!

E, finalmente, sem muito esforço porque o vento ajudou, o Judiego (ajoelhado aos pés da Maná) chegou!

Meus queridos, provas como as que mostrei aqui, neste post, sempre deixam aquele gosto de “quero mais”! Mas, isso está muito longe de significar tristeza! Pelo contrário, isso é alegria, pois assim como estivemos juntos nestes eventos, também estaremos nos próximos que estão logo ali na frente. E, logo ali na frente, também teremos a oportunidade de ajudar a construir um país melhor profundamente técnico, governado pela política da honestidade e da dignidade, e orientado pela ideologia do amor à pátria.

Que o grande e maravilhoso Deus continue nos ajudando a correr em dias limpos, com brisas suaves que levantem pouca areia nas nossas costas!

Abraços pra quem for de abraço e beijos pra quem for de beijo!

Juarez Arigony

Corrida, Triathlon e Powerlifting

Renovos e Raízes,

Ontem, em uma manhã de trégua dos rigores invernais, tive a oportunidade de rever amigos e aumentar um pouco o conhecimento a respeito do treinamento de Triathlon e Powerlifting. Para isso, estive presente em dois eventos: o início do treino de sábado da Equipe Daniel Rech (EDR), e o bate-papo sobre Os Extremos do Desempenho realizado no Estúdio Pretto com a presença dos treinadores Lucas Pretto e Ana Paula Viola, e do Professor Dr. Álvaro Reischak de Oliveira da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

O treinamento da EDR na Beira-Rio foi aquela festa costumeira. Fazia algum tempo que eu não aparecia lá, e fiquei muito feliz de perceber que a equipe se renova a cada sazão. E, em meio ao novedio, também é gratificante perceber que as raízes mais vetustas são preservadas e estimuladas com o característico desvelo do Professor Daniel Rech. Confesso que até, coisa que não acontecia há muito tempo, senti vontade de correr! Talvez, num sábado desses eu apareça por lá de bermudas…

Deixo-os, agora, com o pequeno vídeo que gravei lá na Beira-Rio do início do treino da EDR.

Saí do Parque Marinha e fui direto para o Estúdio Pretto assistir à palestra mencionada no primeiro parágrafo. Eu ainda não conhecia o estabelecimento do meu amigo Lucas Pretto, e fiquei impressionado com a beleza e a organização do ambiente. Se você se interessa por treinamento funcional e suas variações e sutilezas, recomendo uma visita ao local para conhecer um dos mais modernos centros de treinamento da nossa capital.

Inicialmente, os treinadores/atletas Lucas e Ana apresentaram rapidamente um resumo das suas planilhas de treino para o Ironman Brasil 2017 em Florianópolis/SC, e o Mundial de Powerlifting na Bielorrússia respectivamente. Em seguida, os treinadores abriram a palavra aos presentes para que questionassem a eles e ao Professor Álvaro.

Dentro dos vários questionamentos e das informações trazidas pelo Professor Dr. Álvaro, chamou-me a atenção a importância atribuída pelo mestre ao “olho do treinador”. Este “equipamento” permite que o profissional seja capaz de identificar para que modalidades e provas o atleta terá maior chance de um bom rendimento e de sucesso. Pôde-se perceber que se trata de um item fundamental na bagagem dos treinadores.

Em outro momento, o próprio Professor Lucas Pretto perguntou a respeito da longevidade dos atletas de alto nível. A título de exemplo, pode-se observar que os cinco melhores tenistas do mundo atual têm idade superior a 30 anos. Vejam a resposta do Professor Dr. Álvaro Reischak de Oliveira.

A minha surpresa ainda aumentou quando o Professor Álvaro mencionou que pesquisas recentes têm apontado para a diminuição do volume e do tempo de treinamento. O que se busca conhecer hoje é o quão mínimo pode ser um treinamento eficiente (fazer certo o treino) e eficaz (fazer o treino certo) – este treinamento, por ser mais curto, provocaria menos lesões e, consequentemente, um aumento da vida útil do atleta.

Extremamente satisfeito com o que presenciei ontem, deixo-os agora com os votos de que continuem treinando e dedicando-se da melhor maneira possível. Quer correndo, quer fazendo triathlon, quer levantando pesos, sejam muito felizes! Que o bom e poderoso criador do universo faça com que “renovemos as nossas forças, subamos com asas como águias, andemos e não nos fadiguemos, corramos e não nos cansemos! ” (Isaías 40: 31).

Abraços para quem for de abraço e beijos para quem for de beijo!

Juarez Arigony

Curso de Corrida de Rua – Aprenda a Construir Planilhas Eficientes e Personalizadas

Queridas Veláz e Queridos Ázquez,

Se você participa de um dos excelentes grupos de corrida da capital dos gaúchos, deve ter percebido que, neste final de semana, o seu treinador não deu o ar da graça no treino. Pois saiba que ele estava fazendo o Curso de Corrida de Rua do Professor Álvaro Velázquez. O evento foi realizado na tradicionalíssima escola de atletismo da SOGIPA sob as bênçãos dos Professores José Haroldo Loureiro Gomes (Arataca) e Leonardo Ribas.

Além dos inúmeros ensinamentos compartilhados pelo Professor Velázquez – mestre oriundo da escola cubana – o encontro, realizado durante todo o sábado e na manhã de domingo, foi uma excepcional oportunidade de confraternização entre os professores das principais assessorias gaúchas e os amantes das provas de rua. Abaixo, Professor Thiago Bicca (Raiasul), Professor Lázaro Velázquez, Professor Quevedo (Raiasul) e eu (Raiasul) no salão Bremen da SOGIPA – local das aulas teóricas.

Conforme foi salientado pelo mestre em sala de aula, o treinamento de corrida de rua bem planejado é uma arte devido às inúmeras variáveis, condicionantes e sentimentos que estão envolvidos neste esporte. Desta forma, eu não teria condições de apresentar aqui tudo o que abordamos e discutimos durante o encontro. Sendo assim, preferi mostrar para vocês alguns destaques da parte prática que foi realizada na pista da SOGIPA – a melhor pista de atletismo do Brasil. Abaixo, alguns dos professores que participaram do curso: Eduardo Remião, Eduardo Marques, Jorge Goebel, Gabriel Peralta, eu, Daniel Rech, amigo do Dani e Davi Grass.

E, sem mais delongas, vamos ao vídeo onde o Professor Lázaro Velázquez apresenta, na prática, vários dos exercícios que foram abordados em sala de aula.

Antes de finalizar o texto, gostaria de convidá-los a participar da Corrida de Aniversário de 150 Anos da SOGIPA. A prova será realizada no próximo dia 20 de agosto (domingo), e será disputada nas distâncias de 3, 5 e 10 Km. Seguindo os moldes olímpicos, a largada e a chegada acontecerão dentro da moderníssima pista atlética da sociedade – excelente oportunidade para conhecer esta beleza da arquitetura esportiva. Vejam as informações no site http://www.sogipa.com.br/web/eventos/corrida-da-sogipa-2017.Ainda, aproveito a oportunidade para convidá-los a participar da Campanha Vai Arthur (https://www.facebook.com/vaiarthur/). A imagem pode conter: 1 pessoa, sapatos e textoAo nascer, Arthur sofreu uma hemorragia cerebral e tem paralisia cerebral quadriplégica espástica, com sequelas motoras que o impossibilitam de fazer movimentos simples como sentar sozinho, levantar-se, andar independentemente e muitas outras tarefas básicas para crianças de sua idade. A campanha tem o objetivo de angariar fundos para a realização da cirurgia corretiva (Rizotomia Dorsal Seletiva). Essa cirurgia é realizada nos Estados Unidos, pelo Dr. T. S. Park (inventor da técnica), porém, apresenta um custo muito alto para a família do Arthur (U$ 60.000,00).

Pedindo ao bom e soberano Deus que continue abençoando e protegendo o Arthur e os corredores de rua, encerro este post.

Abraços para quem for de abraço, e beijos para quem for de beijo.

Juarez Arigony

34ª Maratona Internacional de Porto Alegre – Domingo, 11 de Junho de 2017

Minhas Despas e Meus Citos,

             Para quem não sabe, toda corrida de rua começa muito antes do que se possa imaginar. No caso da Maratona Internacional de Porto Alegre, o início é ainda mais cedo! Vocês acreditam que os professores Scham, Remião, Daniel Rech e Tiago Bicca (ao meu lado) tiraram esta foto antes das quatro horas da manhã?

Mas, quando a gurizada começou a chegar, ainda não tinha amanhecido!

Daqui a pouco chegou a banda “The Four Carrots and A Tomato”!

Além da banda acima, também tivemos a presença da dupla sertaneja romântica “Neusita & Pablito”!

E, para aqueles que creem que a corrida deixa a pessoa feia, deem uma olhada na foto abaixo, e digam-me se isso não é uma baita mentira!

Juntos e misturados a Equipe Daniel Rech e os Amigos da Corrida (de Uruguaiana/ RS) minutos antes da partida!

E por falar em partida, vejam o que era a aglomeração dos atletas antes do tiro – eu contei vinte mil orelhas!

E, naquele frio de cerca de 11°C, foi dada a largada!

E, em meio ao frio e a névoa da partida, consegui avistar a alegria da Tati e a elegância do Coronel!

Fechando os sete primeiros quilômetros, avistei meu amigo Clayton e sua inconfundível passada!

Um pouco depois, no mesmo lugar, passou a vitoriosa Tati!

Vejam o pelotão dos músicos! Entre eles, o meu amigo Júlio Wilasco!

E a estileira da Dalila fechando os 21 Km!

Feliz da vida – e com razão – o grande Clênio!

Abaixo, o Jorjão está devolvendo o carinhoso beijo que enviei (e aproveito para reenviar) para o meu casal preferido: Lúcia & Jorge – estou com saudade de vocês!

Abaixo, a Tati esbanjando estilo e simpatia!

Vejam também a Siomarinha deixando para trás um juiz e três jogadores do Manchester City!

A prova ainda nos trouxe a benfeitora presença da “Mulher Maravilha” – ajudando aqueles que queriam entregar os pontos! (Mas esta “Mulher Maravilha” pediu pra ser feia e veio se batendo nas tunas!).

E, depois de 42,195 Km aí está o grande Clayton chegando! Parabéns, meu amigo!

E, um pouco atrás, o meu amigo Cézar, sendo recebido e apoiado pela Dalila! Parabéns, queridíssimo casal!

Vocês sabem que eu sempre gosto de terminar os posts com uma foto bonita. Por isso, aí está o meu amigo Márcio Faraco com a sua inspiração no colo após cruzar a linha de chegada! Que coisa mais linda esta criança – pediu pra ser bonito e veio deslizando na neve!

Mostro agora um pequeno vídeo com a chegada do vencedor da prova, o monstro queniano de 24 anos, Elijah Chebonei!

Vocês poderão ver mais algumas fotos acessando o meu face!

             Por hora, me despeço pedindo ao bom e soberano Deus que nos ajude a correr cada dia mais forte!

Abraços pra quem for de abraço e beijos pra quem for de beijo!

Juarez Arigony

AGRADECIMENTO

Meus Bacharéis e Minhas Licenciadas,

             O propósito deste post é, simplesmente, agradecer. Faço isso porque, nos últimos cinco anos, corri uma das maiores provas da minha vida, e considero-me um privilegiado por ter cruzado o pórtico de chegada de uma forma tão especial. Estou me referindo à conclusão do curso de Educação Física na Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (ESEFID/ UFRGS). Recebi o diploma no último dia 17 de janeiro em cerimônia realizada em gabinete no auditório do Laboratório de Fisiologia do Exercício (LAPEX) da citada escola.

5

Em primeiro lugar, sou privilegiado por crer em um Deus que faz com que todas as coisas cooperem para o bem daqueles que O amam (Romanos 8: 28). Então, agradeço a este Deus.

E, como tudo coopera para o meu bem, sou um privilegiado por ter tido a benção de concluir o meu quarto curso superior – o citado no primeiro parágrafo. Sinto imenso orgulho, mas digo isso, apenas porque, na minha visão, é realmente um privilégio ter oportunidade e vontade de estudar a despeito de todas as dificuldades e da inversão de valores que permeia a sociedade contemporânea.

6

Sou privilegiado por ter a família que tenho. Sou privilegiado por ter, principalmente, os pais que tenho – Edu e Nilza. Sem o seu apoio e orientação eu não teria concluído nem o jardim de infância – nem a Escolinha da Dona Teteca! Sou privilegiado por ter 53 anos de “mãe e paitrocínio”!

Sou privilegiado por ter os amigos que tenho. Desculpem-me se esquecer de alguém e, aqui, a ordem deve ser desprezada. Sou privilegiado por ser da Barra 2012/ 1 da ESEFID e por ser atleta da Equipe Daniel Rech. Tenho o privilégio de ter colegas maravilhosos na Raiasul/ Nadebem onde sou chefiado pelo “mito” Wilson Mattos e pelo professor Bruno Bertotto; e por ter tido a oportunidade de estagiar na Raiacenter sob a impecável orientação dos professores Mário Freitas (outro “mito”), Vítor Silva e Léo Mota.

Alguns nomes eu faço questão de, neste momento, mencionar de forma explícita, referindo a eles a minha enorme gratidão (desprezem a ordem). Professores (as) da ESEFID: Adriana Berleze, Adroaldo Cézar Araújo Gaya, Alberto de Oliveira Monteiro, Alex Branco Fraga, Alexandre Velly Nunes, Álvaro Reischak de Oliveira, Andréa Kruger Gonçalves, Anelise Reis Gaya, Carlos Adelar Abaide Balbinotti, Caroline Pieta Dias, Cláudia Silveira Lima, Cláudia Tarrago Candotti, Clézio José Gonçalves dos Santos, Denise Grosso da Fonseca,  Eduardo Lusa Cadore, Elisandro Schultz Wittizorecki, Fabiano Bossle, Flávia Meyer, Flávio Antônio de Souza Castro, Giovani dos Santos Cunha, Janice Zarpellon Mazo, Jefferson Fagundes Loss, João Carlos Oliva, José Cícero Moraes, José Geraldo Soares Damico, Leonardo Alexandre Peyre Tartaruga, Lisete Arnizaut Machado Vargas, Lisiane Torres e Cardoso, Luiz Biazus, Luiz Fernando Martins Kruel, Luiz Fernando Silva Bilibio, Marcelo Francisco da Silva Cardoso, Marco Paulo Stigger, Mário Roberto Generosi Brauner, Martha Ratenieks Roessler, Mauro Myskiw, Míriam Stock Palma, Nádia Cristina Valentini, Rogério da Cunha Voser, Ronei Silveira Pinto, Silvana Vilodre Goellner e Vicente Molina Neto. Agradeço, ainda, aos mestres Daniel Finco e Gustavo Schumacher que substituíram de forma magistral dois dos professores citados anteriormente.

Também quero mencionar a minha incomensurável gratidão a alguns valorosos colegas da querida barra 2012/ 1 e de outras barras que, ao longo dos  cinco anos de percurso, tornaram-se importantes para mim (desprezem a ordem mais uma vez): Éder Sulei Santiago da Silva, Vitória Crivellaro Sanchotene, Leonardo Monteiro, Gabriela Zardo, André Pincetta, Gabriela Kerkhof, Márcia Guterres Weirich, Ricardo de Assis Correia, Bruno Caldeira, Guilherme Farias, Vinícius Fin, Marcos Franken, Jordana Pires, Priscila Limana, Guilherme Caporal, Guilherme Testa, Thales Collar, Luciano Montone, Natália Bender, Gabriel Peralta, Raul Fraga, Mauro Castro, Jacson Severo, Jaci Brum e Aline Porto. Todos os citados aqui souberam desprezar e, também, fazer com que eu desprezasse as inúmeras gerações que nos separam. A todos vocês: muito, muito, muito obrigado!

9

Talvez vocês estejam se perguntando sob a forma especial de cruzar o pórtico de chegada a que me referi no primeiro parágrafo. Bem, pessoas que, como eu, valorizam o estudo, provavelmente, também valorizam a láurea acadêmica. E esta foi a minha segunda láurea em menos de um ano, pois primeiro a obtive na Licenciatura e, agora, no Bacharelado.

7

Sendo assim, vamos em frente! Apesar de todos os pesares, mais uma vez, o mundo parece se descortinar diante dos meus olhos! Minha intenção é utilizar os conhecimentos adquiridos para tornar o ser humano mais saudável, e divulgar todas as possibilidades de alegria proporcionadas pelo movimento do corpo. Uma das formas de fazer isso, vocês verão no próximo post.

Se você está lendo este post, é porque, de alguma forma, você é importante para mim. Você também é responsável pela realização deste sonho. Sendo assim, muitíssimo obrigado pelo seu apoio e pelo seu carinho.

8

Para encerrar, mais uma vez agradeço ao Grandioso Criador e Pai, desejando que ele continue ao nosso lado nos guiando e protegendo.

Abraços para quem for de abraço, e beijos para quem for de beijo!

Juarez Arigony