35ª Maratona Internacional de Porto Alegre – 10 de Junho de 2018

Meus Joãos e Minhas Dandas,

             Hoje de manhã, debaixo de uma chuva intermitente e de temperaturas relativamente baixas, realizou-se, na capital de todos os gaúchos, a prova mencionada no título deste post. O dia não estava dos mais bonitos. Dava a impressão de que não havia amanhecido. E, por falar nisso, muito antes do alvorecer, eu e o Professor Daniel Rech já estávamos de barraca armada no estacionamento do BarraShoppingSul. Chegamos cedo porque se tratava da mais importante prova de rua realizada em solo sulino, e, sendo assim, merecia a preparação detalhada da estrutura de apoio aos atletas da Equipe Daniel Rech (EDR). Além disso, com a proximidade do dia dos namorados, foi a oportunidade de ficarmos a sós e discutirmos a relação…

Pouco a pouco, o estacionamento do shopping foi-se enchendo de barracas das assessorias e, da mesma forma, os incautos começaram a chegar.

De repente, recebemos a agradável companhia dos “Amigos da Corrida” de Uruguaiana/ RS, equipe também treinada pelo Professor Daniel Rech. Muito religiosos, eles trouxeram duas freiras da Ordem das Irmãs Velozes da Capa Branca de Passo de Los Libres.

Logo após as irmãs rezarem, rapidamente, cinco terços pelo sucesso dos “Amigos da Corrida”, o Professor Daniel Rech, com sua sensível pedagogia, deu as últimas instruções para os fronteiriços: “Corram e só parem depois da Ponte da Amizade!”

Abaixo, a tradicional foto das equipes. De camiseta laranja, a EDR; de verde, os “Amigos da Corrida”.

Vejam a seguir a imagem do túnel de acesso aos pórticos de largada. Este túnel liga o estacionamento inferior ao superior do Shopping.

No vídeo abaixo, tento mostrar para vocês o que era a empolgação e a alegria dos atletas alguns minutos antes da largada – contagiante!

Tive que tirar uma foto com meu grande amigo, o Professor “Ironman” Carlos Lara. Ele compareceu ao evento só para dar pace para os seus alunos – muito bacana!

E aí em baixo estão as três primeiras corredoras da EDR a completar a prova: Fernanda, Magda e Fabíola – que orgulho desta medalha!

Um pouquinho depois, juntaram-se a elas a Aline e a Lúcia.

E, em pouco tempo, todas as flores estavam reunidas formando o bouquet da Equipe Daniel Rech. Parabéns, gurias!

Antes de encerrar, quero prestar uma homenagem especial ao meu amigo João Danda (de quem utilizei o nome para o vocativo inicial). O homem realizou a sua octogésima (80ª) maratona. Se fizermos as contas, veremos que, só fazendo esta prova, ele correu 3375,28 Km (isso é quase Porto Alegre a Maceió!). Some-se a isso as distâncias realizadas em treinos, e veremos que o feito não é muito fácil de ser conquistado. Sendo assim, deixo aqui os meus sinceros parabéns ao queridíssimo atleta e votos de muitas outras maratonas bem-sucedidas.

Vou ficando por aqui só lembrando a todos vocês que depois de amanhã é o dia dos namorados. Aproveitem, curtam e beijem muuuuuuito! E, lembrem-se, se o (a) seu (sua) namorado (a) te pedir um tempo e mais espaço, é só porque, como você é corredor (a), ele (a) está querendo calcular a sua velocidade (velocidade = espaço ∕ tempo)!

Que o bom Deus e Senhor do Universo continue nos abençoando e protegendo dos dias de frio intenso!

Abraços pra quem for de abraço, e beijos pra quem for de beijo!

Juarez Arigony

Anúncios

34ª Maratona Internacional de Porto Alegre – Domingo, 11 de Junho de 2017

Minhas Despas e Meus Citos,

             Para quem não sabe, toda corrida de rua começa muito antes do que se possa imaginar. No caso da Maratona Internacional de Porto Alegre, o início é ainda mais cedo! Vocês acreditam que os professores Scham, Remião, Daniel Rech e Tiago Bicca (ao meu lado) tiraram esta foto antes das quatro horas da manhã?

Mas, quando a gurizada começou a chegar, ainda não tinha amanhecido!

Daqui a pouco chegou a banda “The Four Carrots and A Tomato”!

Além da banda acima, também tivemos a presença da dupla sertaneja romântica “Neusita & Pablito”!

E, para aqueles que creem que a corrida deixa a pessoa feia, deem uma olhada na foto abaixo, e digam-me se isso não é uma baita mentira!

Juntos e misturados a Equipe Daniel Rech e os Amigos da Corrida (de Uruguaiana/ RS) minutos antes da partida!

E por falar em partida, vejam o que era a aglomeração dos atletas antes do tiro – eu contei vinte mil orelhas!

E, naquele frio de cerca de 11°C, foi dada a largada!

E, em meio ao frio e a névoa da partida, consegui avistar a alegria da Tati e a elegância do Coronel!

Fechando os sete primeiros quilômetros, avistei meu amigo Clayton e sua inconfundível passada!

Um pouco depois, no mesmo lugar, passou a vitoriosa Tati!

Vejam o pelotão dos músicos! Entre eles, o meu amigo Júlio Wilasco!

E a estileira da Dalila fechando os 21 Km!

Feliz da vida – e com razão – o grande Clênio!

Abaixo, o Jorjão está devolvendo o carinhoso beijo que enviei (e aproveito para reenviar) para o meu casal preferido: Lúcia & Jorge – estou com saudade de vocês!

Abaixo, a Tati esbanjando estilo e simpatia!

Vejam também a Siomarinha deixando para trás um juiz e três jogadores do Manchester City!

A prova ainda nos trouxe a benfeitora presença da “Mulher Maravilha” – ajudando aqueles que queriam entregar os pontos! (Mas esta “Mulher Maravilha” pediu pra ser feia e veio se batendo nas tunas!).

E, depois de 42,195 Km aí está o grande Clayton chegando! Parabéns, meu amigo!

E, um pouco atrás, o meu amigo Cézar, sendo recebido e apoiado pela Dalila! Parabéns, queridíssimo casal!

Vocês sabem que eu sempre gosto de terminar os posts com uma foto bonita. Por isso, aí está o meu amigo Márcio Faraco com a sua inspiração no colo após cruzar a linha de chegada! Que coisa mais linda esta criança – pediu pra ser bonito e veio deslizando na neve!

Mostro agora um pequeno vídeo com a chegada do vencedor da prova, o monstro queniano de 24 anos, Elijah Chebonei!

Vocês poderão ver mais algumas fotos acessando o meu face!

             Por hora, me despeço pedindo ao bom e soberano Deus que nos ajude a correr cada dia mais forte!

Abraços pra quem for de abraço e beijos pra quem for de beijo!

Juarez Arigony

7ª MARATONA DE REVEZAMENTO PAQUETÁ ESPORTES ASICS – 06 DE NOVEMBRO DE 2011

Meus Paqueteiros e Minhas Paqueteiras,

            Numa bela manhã de domingo, onde a primavera antecipou e anunciou o que virá pela frente, teve lugar a prova título deste post. Antevejo temperaturas cada vez mais elevadas – os que viverem “verão”…

 

            O BarraShoppingSul vem se firmando como um dos melhores locais para partidas e chegadas de provas de rua. Seu parqueamento proporciona um bom local para a montagem das barracas das equipes, além de segurança para os carros dos participantes.

 

Apenas essas duas vantagens sobrepujam quaisquer outras oferecidas pelos locais de praxe ao longo da Avenida Beira-Rio.

            Para ficar ainda melhor, sugiro a colocação de duchas para que os atletas possam se refrescar por ocasião da chegada. Nas provas realizadas sob o forte calor do verão isso seria bastante agradável. Não é possível a instalação dos chuveiros? Já pensaram em caminhões-pipa?

            Constatei alguns pontos negativos. Ouvi o narrador do evento utilizar expressões um pouco preconceituosas, como por exemplo: “tem até japonês que vai correr!” Eu pergunto: qual o problema com relação aos nipônicos? Há excelentes corredores niseis e sanseis! Eu mesmo conheço vários!

            O percurso, em minha opinião, só teve um pequeno defeito: o congestionamento de corredores nos primeiros dois quilômetros e meio.

 

Isso tem que ser resolvido para permitir que a disputa ocorra de forma mais natural. Os atletas mais fortes não podem ser impedidos de abrir as passadas e aumentar suas velocidades pela presença de grande quantidade de gente numa faixa estreita.

 

            Para evitar esse problema, o Coronel e a Lila (Equipe Daniel Rech) abriram o gás e ainda fizeram pose para a foto – vejam o que é a sincronia da dupla: os dois muito felizes e com a passada igualzinha! Eis aí a “Foto do Post”!

 

            Lá na frente, o meu amigo Daniju (Equipe Daniel Rech) deixava os adversários na neblina!

 

            Agora… A Cris deu uma de esperta – foi de táxi até quase o Corpo de Bombeiros! E ainda achou graça!

 

            Cumpre-me ressaltar que os postos de hidratação estavam muitíssimo bem distribuídos com farto provimento de água e de isotônicos. Considero importante porque não é o que acontece na maioria das provas.

            Cito agora a pior falha da organização. Por volta do quilômetro 8,5 encontrei o meu amigo João Maciel. Ele estava se sentindo um pouco mal e, sabendo disso, resolvi acompanhá-lo até o final. Sem condições de correr, terminamos caminhando.

 

Assim que cruzou o pórtico de chegada, o Maciel foi direto ao atendimento médico. Trago esse fato ao conhecimento de vocês porque fiquei pasmo ao saber que na barraca da enfermagem não havia um glicosímetro – considero isso uma verdadeira irresponsabilidade! Todos sabem da grande quantidade de diabéticos que participam das provas, sendo, inclusive, este redator que ora vos escreve um deles. Esse aparelho tem custo insignificante, porém sua falta impede uma avaliação pertinente das condições glicêmicas da pessoa, conseqüentemente, torna impossível um correto tratamento. Isso é seriíssimo e, sinceramente, espero que sejam tomadas providências para que não torne a acontecer.  

            Somando todos os pontos positivos e negativos, considero que o saldo foi satisfatório. Espero que sejam sanadas as dificuldades que mencionei – são muito simples e os corredores merecem.

            Em tempo: perdoem-me pela brincadeira com a Cris. É evidente que ela não foi de táxi coisa nenhuma! Se assim o tivesse feito, não teria sua foto publicada aqui. Ela correu e correu muito! Sou testemunha disso!

Que o bom Deus nos proteja e abençoe nos treinos e provas que vêm pela frente!

Abraço prá quem for de abraço e beijo prá quem for de beijo,

Juarez Arigony